• Redação

Tratamento profilático diminui os casos graves de COVID 19


Um grupo de médicos entregou, uma carta ao Presidente Jair Bolsonaro em que defendem o tratamento precoce contra a Covid-19 como forma de melhorar as chances de cura da doença.



Os representantes do grupo discursaram durante o encontro, no Palácio do Planalto, e defenderam que experiências clínicas têm demonstrado sucesso a partir da estratégia de tratar já na apresentação dos primeiros sintomas. “Entendemos que a Covid-19 é uma doença que hoje tem tratamento e a melhor resposta acontece quando abordada precocemente, como toda e qualquer doença. Nossas estratégias de tratamento são simples de serem aplicadas, são multiplicadas e, com elas, temos prevenido internações e evitado óbitos”, disse o médico Luciano Dias Azevedo. Segundo ele, nos pacientes acolhidos desde os primeiros sintomas, a evolução é acompanhada sistematicamente e cada fase da doença é tratada o mais precoce possível. “Aprendemos, com o atendimento precoce, que atacar o vírus já na fase inicial da doença usando remédios simples, como a hidroxicloroquina, a azitromicina, o zinco, junto com outros medicamentos, torna essa doença mais branda e impede que a maioria dos doentes se agrave”, explicou Luciano Dias Azevedo. “Isso faz com que consigamos tratar a maioria dos pacientes, ainda que piorem, sem a necessidade de internação e no conforto dos seus lares”, disse o médico. Os profissionais fazem parte de um grupo que eles afirmam ter 10 mil médicos espalhados pelo Brasil no Movimento Brasil Vencendo a Covid-19. Desde meados de abril, eles se comunicam por meio de aplicativos para trocar informações sobre o tratamento contra o novo coronavírus a partir da experiência clínica de cada um no atendimento aos pacientes. O assessor-chefe adjunto da assessoria especial do Presidente da República, Arthur Weintraub, disse que desde o início da pandemia o Presidente Jair Bolsonaro defendeu o tratamento precoce e a liberdade para que os médicos escolham o tratamento que considerarem adequado. “O Presidente sempre defendeu que existe um tratamento precoce que envolve o uso, off label, da hidroxicloroquina e da cloroquina junto com outros fármacos. O Presidente sempre tratou disso da seguinte maneira: o médico tem que ter liberdade para tratar seu paciente e o paciente tem que ter liberdade de escolher o seu médico e poder usar o remédio, se necessário”, disse Arthur Weintraub. O uso off label do medicamento é aquele uso que não consta da bula.

Ações do Ministério da Saúde

Desde o início da crise do novo coronavírus, o Ministério da Saúde apoia estados e municípios na compra e entrega de equipamentos, habilitação de leitos de UTI e com recursos para o enfrentamento da Covid-19. Foram habilitados 12 mil novos leitos de UTI, voltados exclusivamente ao atendimento de pacientes infectados com o novo coronavírus. Para aumentar as equipes que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS), foram contratados 6,6 mil profissionais de saúde. Já foram distribuídos 12.176 respiradores a todas unidades da federação. O ministério ainda assinou cinco contratos com empresas brasileiras para a produção de outros 16.252 ventiladores pulmonares Foram adquiridos e distribuídos também 241,3 milhões de equipamentos de proteção individual (EPIs) como máscaras e luvas e fornecidos mais de 13,7 milhões de testes para diagnóstico da doença, além de medicamentos. Vacina No início de agosto foi assinado um acordo para transferência de tecnologia no valor de R$ 1,9 bilhão que garante ao país a aquisição e produção de 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19, produzida pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca. A vacina passa por testes para comprovar sua eficácia.







gov.br/

6 visualizações0 comentário
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now